24 de agosto de 2017

Interatividade: a tecnologia que mudou nossa forma de comunicar

A forma de se comunicar mudou e isso também modificou o formato de consumo de serviços. No mundo dos negócios, que muda cada vez mais rápido, e em muitos outros segmentos, está claro: quem ainda  tenta nadar contra a correnteza está com os dias contados.

Entretanto, poucos setores mudam tão incessantemente quanto o de mídia: a impressão que dá, é de que  os “veículos” trafegam por uma “pista” que muda de traçado a todo instante.

Anteriormente, era um caminho seguro atingir simultaneamente uma grande massa de público, e isso nos levava a grandes rendimentos. Hoje não é mais assim, pois se tratando de audiência, alguns termos como “grande” e “pequeno” são cada  vez mais relativos, perante a abundância de nichos.  Além disso, o consumidor também mudou e está inserido em uma comunidade  onde ele deseja sentir que seus gostos, opiniões e rotina são respeitados.

On demand

Ele é considerado o coração da revolução digital que rompeu o modelo de negócio da mídia tradicional. On demand significa disponível, pronto para entrega, (produzido) conforme a demanda.

E  embora continuem existindo diferentes mídias para distintas circunstâncias, a forte atração de conteúdos disponíveis no mobile e nas smart TVs não pode ser ignorada: eles entregam tudo quando, onde e como os consumidores querem.

Isso faz com que as empresas de comunicação tenham que mudar tão rapidamente quanto você posta uma foto no Instagram. Este é o ritmo.

Mas não se esqueça: todas essas mudanças geram conflitos, e alguns serão ainda maiores, como por exemplo, aquele entre as redes sociais (Facebook) e  os veículos tradicionais.

Um cartaz colado na parede de um bar já não é mais tão informativo quanto deveria ser: a visão das pessoas mudou e hoje, elas buscam informação olhando para o que está em suas próprias mãos, os celulares.

Também há mudanças relacionadas ao algoritmo do feed de notícias, a queda na relevância das fan pages (que forçam seus administradores, incluindo os veículos, a pagarem para encorpar seus números).

Além disso, a preferência dos vídeos tem obrigado mídias como rádio, jornal e revista a investirem num tipo de produção que não lhes é familiar, designando um custo cujo retorno ainda é duvidoso.

Ele pode não responder bem a essa pressão que ele mesmo tem criado,  podendo inutilizar ainda mais a sua relação com as empresas de conteúdo, provocando impactos a médio e longo prazo na forma como as pessoas se informam e se divertem pelas redes sociais.

As novas formas  de comunicação e a crise política e econômica do país agravam todas essas tensões e a situação de empresas que há muito tempo balançavam, mas não caíam. Mais do que nunca, é preciso que os profissionais de comunicação sejam empreendedores de si mesmos, enfrentando  suas relações on e offline como as peças de um quebra-cabeça .

É preciso lutar para  tornar oportunidades e tanto valor em armas na luta contra os desafios que se expõem, para que todas as pessoas possam continuar tirando benefícios do trabalho daqueles que são especialistas em levar o mundo até elas.

Compartilhar

Tags:

Deixe um comentário
//JIVOCHAT (function(){ var widget_id = 'Tv5NbOr907';var d=document;var w=window;function l(){var s = document.createElement('script'); s.type = 'text/javascript'; s.async = true;s.src = '//code.jivosite.com/script/widget/'+widget_id; var ss = document.getElementsByTagName('script')[0]; ss.parentNode.insertBefore(s, ss);}if(d.readyState=='complete'){l();}else{if(w.attachEvent){w.attachEvent('onload',l);}else{w.addEventListener('load',l,false);}}})();//SMARTLOOK window.smartlook||(function(d) { var o=smartlook=function(){ o.api.push(arguments)},h=d.getElementsByTagName('head')[0]; var c=d.createElement('script');o.api=new Array();c.async=true;c.type='text/javascript'; c.charset='utf-8';c.src='https://rec.smartlook.com/recorder.js';h.appendChild(c); })(document); smartlook('init', '5d6f6b427a43a663afbbe8b04f04c92aed9eaca7');});